Aprender francês em Recife é entender sua arte e arquitetura [bônus curso gratuito]

by Administrativo abril 22, 2019

Existem muitas razões para aprender francês em Pernambuco, uma delas é a grande influência francesa presente na região. Já é conhecida por muitas pessoas a influência da Holanda e de Portugal em Pernambuco, além disso, também é possível encontrar influências da França que perpassam desde a mesa dos pernambucanos até a configuração da arquitetura do estado.

 

Imigração francesa

No começo do século XIX a então Província de Pernambuco recebia muitos estrangeiros. Todos os dias, vários navios chegavam em Recife com viajantes, em sua maioria vindos da Europa. Com a chegada da família real em 1808 ao Brasil, vários comerciantes portugueses, ingleses e franceses vindos do Velho Mundo começaram a desembarcar no Brasil.

Isso porque a França negociava com Portugal a exportação de algodão no período de 1814 a 1817. Com isso, os comerciantes franceses vinham buscar o algodão nos portos brasileiros. Na época o de Recife era um dos mais movimentados dentre os portos brasileiros.

 

Importação de ferro da França

Teatro de Santa Isabel

Mercado de São José

Uma das maiores influências francesas, que talvez poucas pessoas saibam em relação a capital de Pernambuco Recife, é que é possível encontrar no município uma variedade de peças francesas feitas de ferro. Além disso, algumas das grandes edificações do início do Brasil tiveram grande influência francesa, como o primeiro mercado público do Brasil, o São José (1875), e o Teatro de Santa Isabel (1850).

A capital pernambucana, segundo estudiosos, é a segunda cidade brasileira que mais possui elementos de ferro franceses. Esse ferro é originário do século 19 e era produzido pela fundição Val D’Osne (imagem ou hyperlink). A empresa francesa se diferenciou das outras fundições que se concentravam em produzir canos, vasos e placas: La Fonderie du Val d’Osne se dedicou na área da  fundição artística e ganhou tanto respeito e destaque que foi a empresa responsável pela confecção da famosa Estátua da Liberdade.

Segundo o secretário de Turismo do Recife, Samuel Oliveira, muitas das peças importadas decoram espaços públicos e pontos turísticos da cidade. Conta-se que foram encontradas em bom estado de conservação mais de 60 peças no Recife, sendo oito águias na Estação Ferroviária, as esculturas da Praça da República, estátuas na Ponte Maurício de Nassau entre outros. Também é possível encontrar produção francesa no santuário de Nossa Senhora da Conceição, já que tanto o nicho quanto a imagem da foram confeccionados por franceses.

 

Presença na gastronomia

A influência francesa não param por aí: na gastronomia pernambucana também é possível localizar a participação dos franceses. São tantas que o historiador brasileiro Frederico de Oliveira Toscano publicou o livro “À francesa” em 2014, em que fala um pouco sobre os hábitos alimentares trazidos pelos franceses, já que muitos franceses que trabalhavam como profissionais da gastronomia, se instalaram em Recife na época da chegada dos imigrantes ao Brasil.

 

Jumelage Recife e Nantes

Já há algum tempo a cidade de Recife e Nantes tem uma relação de jumelage, mais precisamente desde 2001. Cidades com relação de jumelage são aquelas que têm parceria em alguma área que interessa para ambas. No caso de Recife e Nantes, as duas cidades possuem cooperação na área da cultura. No final de 2017 as duas cidades discutiram na área de inovação e desenvolvimento. Segundo a Folha de Pernambuco, “O primeiro tema abordado na reunião poderia ser o desenvolvimento das indústrias culturais e criativas relacionadas à preservação do patrimônio; a natureza da cidade e a reconquista do Rio em Nantes. Foi destacado também o tema da transição energética com a utilização de mobilidade com energia baixa e o último tema seria relativo à cidade inclusiva, dando uma importância particular às populações mais frágeis”. Relações como essas estimulam o intercâmbio entre as cidades e trazem boas notícias para os recifenses e para os nantais.

 

Ficou com vontade de aprender francês?

Aprender uma língua é também estar mais próximo da cultura que a cerca. Com tanta influência francesa em vários cantos do Brasil, se torna cada vez mais interessante aprender francês!

Para você se motivar ainda mais, conheça a metodologia do Curso de Francês Online – CFOL, plataforma virtual do Grupo IFESP.

 

Social Shares

Related Articles

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *